Uma semana após uma pesquisa do Instituto AtlasIntel, divulgado pelo Valo Econômico, mostrar que o governador Romeu Zema (Novo) perderia o segundo turno para o prefeito Alexandre Kalil, o Governo de Minas decidiu mandar 50 mil doses a menos para a capital.

A informação foi revelada pelo secretário municipal de Saúde de Belo Horizonte, Jackson Machado Pinto nesta terça-feira, 16. Segundo ele, a decisão é política:

“Privou-se a população de BH de 50 mil doses de vacina. As pessoas deixaram de ser vacinadas, e não resta a menor dúvida de que isso foi por uso político da vacina. Agora, usar a vacina para isso? Fico indignado”.

Advertisement

Ele explicou como os critérios do Ministério da Saúde orientavam a distribuição das doses: “”Por esse critério, Belo Horizonte tem direito a algo em torno de 14% dos imunizantes destinados a Minas Gerais. Na semana passada, no entanto, o índice foi de 3,3%”.

Em comunicado, o Governo de Minas negou que esteja diminuindo as doses de vacinas para Belo Horizonte para ajudar Romeu Zema a ganhar a eleição do ano que vem e afirmou que se baseou em critérios técnicos para uma redistribuição justa das doses para todo o estado:

“Foi observado que aproximadamente 14% da população de 18 a 59 anos de cada município corresponde à parcela de pessoas do grupo com comorbidade. Nas últimas remessas, porém, Belo Horizonte recebeu doses correspondentes a 12% da população com comorbidade, enquanto vários municípios receberam quantitativos menores, entre 7% e 8%. Portanto, para equilibrar essa distribuição, a última remessa enviada à capital foi com uma quantidade menor de vacinas, conforme decisão em CIB”.

Advertisement

Cenário político – eleições do ano que vem

A mudança nos critérios do Governo de Minas aconteceram uma semana após pesquisa do Instituto AtlasIntel mostrar que Kalil cresceu nas intenções de voto do primeiro turno e que seria o único candidato a derrotar Romeu Zema no segundo turno. Veja tudo aqui.

Advertisement