Belo Horizonte bate recorde. Neste último domingo (14), a Secretária de Estado da Saúde registrou 82% das unidades de terapia intensiva ocupadas por algum paciente com COVID-19

 

Com “afrouxamento” do isolamento de algumas prefeituras em Minas Gerais, o estado vem transformando o setor de saúde pública em um caos. Dados da Secretaria de Estado de Saúde (SES) revelam que 12 das 14 macrorregiões,  estão na chamada zona vermelhada taxa de ocupação dos leitos de UTI. Dessas macrorregiões, 70% ou mais unidades estão ocupadas por algum paciente. Vale do Aço, Nordeste e Triângulo do Norte, estão em estado de alerta, pois não tem sequer uma vaga de terapia intensiva.

Advertisement

Além dessas três regiões, oito macrorregiões estão em estado muito crítico quanto ao índice: Sudeste (89% de ocupação), Sul (89%), Oeste (85%), Centro-Sul (86%), Leste do Sul (72%), Leste (92%), Vale do Jequitinhonha (95%) e Noroeste (96%). Nessas três últimas, restam menos que cinco unidades de terapia intensiva UTI

Segundo a Saúde Municipal, Belo Horizonte pela primeira vez ultrapassou  neste último domingo (14), a marca de 80% no índice e a taxa de ocupação dos leitos para pacientes diagnosticados com coronavírus em estado grave chegou a 82% a mais alta já comutada.

Macrorregião  Ocupações COVID-19 Demais internações Leitos livres Taxa de ocupação
Vale do Jequitinhonha 1 18 1 95
Vale do Aço 29 114 0 100
Triângulo do Sul 2 13 10 60
Triângulo do Norte 10 226 0 100
Sul 61 328 49 89
Sudeste 77 226 36 89
Oeste 20 120 25 85
Norte 14 118 81 62
Noroeste 11 44 2 96
Nordeste 11 24 0 100
Leste do Sul 15 51 26 72
Leste 6 29 3 92
Centro-Sul 11 97 18 86
Central 97 280 599 39

 

Advertisement

Por outro lado, existem as macrorregiões que estão com a situação controlada são elas: Central (39%), Triângulo do Sul (60%) e Norte (62%),as únicas abaixo da marca dos 70%.

Segundo as informações da SES são 1.477 pessoas hospitalizadas com a COVID-19 no estado. Desse total, 365 ocupam UTIs.

Hospital de campanha

Advertisement

O secretário de Estado de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, Em entrevista coletiva nesta segunda-feira (15), afirmou que o governo planeja ampliar o funcionamento de leitos nos hospitais da rede da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig),como o Júlia Kubitschek e o Eduardo de Meneses

Sobre o hospital de campanha montado no Expominas , o secretário ressalta a gestão do espaço, inclusive a contratação de pessoal, será feito por uma organização ainda a ser escolhida.

Advertisement