O jogador do Atlético Hulk deu uma entrevista para Pedro Bial, na Globo, e falou como é sua rotina de jogos e com a família, que se mudou para a Grande BH.

Além de relembrar a infância humilde, ajudando os pais a carregar produtos na feira em que trabalhava, ele disse que nunca perdeu a humildade perante Deus e que até hoje dobra seus joelhos diariamente para rezar:

“Eu diariamente coloco meu joelho no chão e agradeço a Deus por tudo o que me proporcionou na minha vida. Não no lado financeiro, mas o profissional, pessoal. Meus quatro filhos, que são tudo pra mim. Uma esposa que me ajuda pra ‘caramba’. Sou muito abençoado”, contou.

Advertisement

Saiu agora: De BH Isabela Scalabrini casa a filha, Fátima Bernardes comenta e povo descobre; veja os detalhes aqui

O jogador do Galo ainda lembrou que desde pequeno queria pegar coisas pesas porque se inspirava no personagem O Incrível Hulk e que foi assim que recebeu o apelido que lhe deu fama mundial:

“Meu pai ficava louco, porque eu ficava andando em casa pegando as coisas, butijão de gás, novinho. Meu pai falava: ‘você vai se machucar!’ Aí eu: ‘não, pai. Eu sou o Hulk, sou igual ele, muito forte’. Daí meu pai falou: ‘tá ok. Você vai ser chamado de Hulk agora’. Achou que não ia pegar”.

Advertisement

Ainda falou sobre seu livro e disse que está pronta para jogar novamente na Seleção: “Assim, acho que pela experiência, pelo poder de agregar, ser bom de grupo, me dar bem com todo mundo. Estou ‘vendendo meu peixe’, né? Mas sei que o Tite tem os jogadores que ele conhece a mais tempo e confia”.