A corrida para as eleições 2022 ainda não começou, mas as emissoras já estão se preparando para o que será um verdadeiro campo de guerra. Os canais de TV aberta já sabem que enfrentarão uma chuva de ódio com suas narrativas relacionadas a Lula e Bolsonaro. E em BH, a disputa espelhará o tratamendo dado a Kalil e Zema, que rivalizarão entre si.

De acordo com informações do NaTelinha, as emissoras já estão realizando reuniões para decidir as abordagens nos períodos pré-eleitoral e eleitoral. Pela primeira vez, uma das análises mais abordada está sendo a segurança dos profissionais que trabalharão em campo durante a cobertura.

Leia também: Bolsonaro confirma presença em debate da Globo e desafia o canal

Advertisement

Apesar de o risco de agressões físicas ser relativamente baixo, alguns canais cogitaram a contratação de uma empresa de segurança para auxiliar seus profissionais.

Outro medo muito forte dos canais está no meio digital. A guerra de narrativas é o que tem mais preocupado as emissoras, principalmente a Globo.

Apesar do medo, os profissionais da emissora carioca se mostraram dispostos a enfrentar essa “zona de guerra”. Os jornalistas deixaram os seus nomes à disposição do canal para fazer uma cobertura da melhor forma possível, mesmo que isso signifique seguir protocolos de segurança rígidos.

Advertisement