Belo Horizonte é uma das cidades mais importantes do Brasil por diferentes motivos. Além do fator econômico e da rica história no Período Colonial, a capital mineira também é famosa pelos diferentes espaços arquitetônicos construídos em períodos antigos. Oscar Niemeyer, por exemplo, foi um dos maiores nomes da arquitetura nacional, e diferentes obras espalhadas pela cidade têm sua assinatura.

Separamos sete locais com projeto arquitetônico suntuoso para contar um pouco da história mineira. Você já visitou todos eles?

A Casa do Conde

Construída em 1897, o Complexo do Conde de Santa Marinha, também chamado de Casa do Conde, foi de responsabilidade do arquiteto português Antônio Teixeira Rodrigues (1850-1900). Segundo o site oficial do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional de Minas Gerais (IPHAN), o local foi sendo utilizado para diferentes finalidades com o passar dos anos. Foi uma espécie de galpão para diferentes estabelecimentos e, após algum tempo, se transformou em sede de uma empresa de transporte.

Atualmente, após ficar alguns anos abandonada, a Casa do Conde se transformou na sede do Instituto do IPHAN. Ela está localizada no centro histórico da cidade e, com mais de 123 anos de história, pode ser visitada por qualquer um que tenha vontade de conhecer algumas das curiosidades que BH esconde em suas ruas.

O Edifício Niemeyer e o Conjunto JK

Esse projeto é famoso em Belo Horizonte, sendo um dos locais mais procurados pelos amantes de fotografia. A construção do prédio que leva o nome de Oscar Niemeyer, e que foi projetado pelo próprio arquiteto, iniciou-se em 1954, mas só foi completada, segundo artigo publicado no site Vitruvius, em 1960. O edifício possui 12 andares e já foi a casa de pessoas importantes para a história do Brasil, como o ex-presidente mineiro Tancredo Neves. Até os dias atuais o local é uma referência e está localizado ao lado da Praça da Liberdade e também de diferentes museus de BH.

Outra obra produzida pelo famoso arquiteto, e que marcou a cidade nas décadas de 1950 e 1960, foi o Conjunto JK. O projeto de 1951 esteve em construção durante 10 anos e tinha o objetivo inicial de ser uma pequena cidade vertical. Após algumas mudanças e adaptações, o local se transformou em dois prédios com mais de 1.086 apartamentos, sendo um maior, com 35 andares, e outro com 22. O conjunto abriga mais 5 mil moradores.

Conjunto Arquitetônico da Pampulha

Apesar da beleza dos edifícios residenciais, a obra mais importante de Niemeyer em Belo Horizonte é, sem dúvidas, o Conjunto Arquitetônico da Pampulha. A estrutura fica ao lado da Lagoa da Pampulha, que é um dos pontos mais icônicos da cidade e que recebe diferentes festivais durante ano. No Carnaval do ano passado, por exemplo, o local foi palco do Festival Junglebier. As quatro obras do arquiteto brasileiro no local foram construídas entre 1942 e 1944. Além da famosa Igreja de São Francisco de Assis, estão por lá também a Casa do Baile, a Casa Kubitschek e o Museu de Arte da Pampulha.

Esse último tem uma história rica e que começou também em 1942, mas não como um museu, e sim como uma casa de jogos. O portal ArchDaily conta que o Cassino da Pampulha era uma estrutura de dois andares que contava com 18 espaços diferentes. Um deles era o salão de jogos, que ocupava metade do primeiro andar. Essa área ficou famosa por oferecer diferentes modalidades tradicionais, como o pôquer, a roleta, os caça-níqueis e também o blackjack ou vinte e um, jogo de comparação que, conforme explicado na site da Betway Casino online blackjack, é jogado contra o crupiê e cujo objetivo é se aproximar do número 21, sem, entretanto, ultrapassá-lo. O Cassino da Pampulha se transformou no Museu de Arte da Pampulha em 1942, dois anos após sua inauguração. O jornal Correio Braziliense conta que, neste período, os cassinos no Brasil eram frequentados por celebridades, pessoas das altas classes sociais e políticos de grande importância. Ícones do calibre de Albert Einstein, Orson Welles e Walt Disney eram atraídos para esses estabelecimentos, que também serviam de palco para diversos artistas, como Carmem Miranda.

Belo Horizonte é uma cidade rica de diferentes formas, seja na arquitetura ou em outros setores. Por isso, essa nossa lista poderia contar com outros locais que marcam a nossa capital. Essas sete obras, em sua maioria idealizadas por Oscar Niemeyer, servem apenas para despertar a curiosidade de quem busca conhecer um pouco mais da história mineira, mas BH é uma cidade que tem muito mais para contar, seja no centro histórico ou então às margens da Lagoa da Pampulha.