Em 2018, a Orquestra Ouro Preto celebrou a maioridade e comemorou em grande estilo: foram 56 concertos em 31 cidades brasileiras. O grupo tornou-se a orquestra residente do Sesc Palladium, ampliou as atividades do Núcleo de Apoio a Bandas, lançou o concerto “The Beatles – Volume II“, o DVD “Música Para Cinema“, o espetáculo “O Pequeno Príncipe” e gravou os CDs/DVDs “Quem Perguntou Por Mim: Orquestra Ouro Preto e Fernando Brant” “Suíte Masai” com o rapper Flávio Renegado. Após tantos sucessos, temporada 2019 promete ser ainda mais surpreendente, marcada por apresentações em todo o país, novos projetos sociais e parcerias musicais.




Academia Orquestra Ouro Preto é a principal novidade do ano. Voltada para talentos da música de concerto, a Academia selecionou 22 jovens músicos e musicistas para uma série de atividades ao longo do ano. Criada com o objetivo de fomentar a prática da música de concerto no país, a Academia é patrocinada pela SulAmérica, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura (a Lei Rouanet) e já nasce como referência em Minas Gerais. Ela busca aperfeiçoar a técnica de músicos entre 18 e 28 anos de idade que têm em comum a paixão pela música, além de enxergarem nela a possibilidade de uma carreira artística e um futuro promissor.

Rodrigo Toffolo, diretor artístico, regente titular da Orquestra Ouro Preto e idealizador da Academia, aponta que a iniciativa foi construída como instrumento de inclusão social e cultural, tendo como base os valores artísticos da formação principal e sua forma de fazer música, que a elevaram ao status de uma das mais importantes e premiadas orquestras brasileiras. “A Academia é a materialização de um sonho antigo e mais um passo importante na história da Orquestra Ouro Preto. Queremos apresentar a esses jovens a experiência da música como modo de vida possível, criando oportunidades de inserção no mercado profissional, através de um trabalho prático e, sobretudo, humano”, comenta Toffolo. Além disso, os instrumentistas que se destacarem terão a oportunidade de fazer parte do grupo de músicos da Orquestra Ouro Preto.




Núcleo de Apoio a Bandas

Outro projeto sociocultural da Orquestra Ouro Preto é o Núcleo de Apoio a Bandas. Iniciando o terceiro ano de atividades, o Núcleo continua ampliando suas ações em 2019. A iniciativa tem como objetivo fomentar e capacitar regentes, professores e instrumentistas das tradicionais bandas de Minas Gerais e do Brasil. Consultorias, oficinas, palestras, atividades práticas e teóricas estão entre as ações realizadas. As atividades são inteiramente gratuitas, prezando pela troca de experiências e o diálogo entre os participantes.

De acordo com o Maestro Rodrigo Toffolo, idealizador do projeto, o Núcleo possui papel essencial no fomento às corporações musicais. “Sabemos que as corporações musicais e as bandas marciais, fazem parte de um dos mais relevantes bens culturais do país principalmente no que diz respeito a formação de profissionais e de cidadãos, através da música. Sabemos também que, apesar da importância dessas associações, a manutenção de suas atividades é feita sempre com muita dificuldade, especialmente pela falta de apoio. Através do Núcleo de Apoio a Bandas, queremos estabelecer diálogo com esses fazeres tradicionais, trocar experiências e sugerir caminhos para sua preservação”, ressalta o Maestro.




No ano passado, por exemplo, o Núcleo de Apoio a Bandas lançou o Prêmio Orquestra Ouro Preto, levando a São Paulo três jovens músicos, que se destacaram nas atividades promovidas, para uma semana de residência artística, que contemplou práticas na FIAM-FAAM e no Teatro Municipal de São Paulo, além de visitas a importantes centros culturais. Em 2019, o Prêmio terá sua segunda edição.