Um informação trazida pelo jornalista Orion Teixeira, do site Além do Fato, mostra que pelo menos em uma coisa o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) está certo: os governadores poderiam ajudar na redução do preço dos combustíveis.

Mas para muitos, como Romeu Zema (Novo), quanto mais caro, melhor. É que hoje, em Minas Gerais, 1 a cada 4 reais arrecadados pelo governo estadual são impostos dos combustíveis. Isto significa que quanto mais caro, mais o governo terá para gastar. Zema só conseguirá colocar a folha de pagamento em dia por causa deste dinheiro extra.

O Secretário da Fazenda de Minas Gerais, Gustavo Barbosa, pôde comemorar na prestação de contas da última sexta-feira (02), o aumento da receita em quase 50%. Nos últimos três meses, a arrecadação estadual cresceu 49,12% em abril, 45,85% em maio e 46,62% em junho, totalizando um salto de R$8,9 bilhões em comparação ao 1º semestre de 2020. Os dados se referem ao balanço geral da Secretaria da Fazenda.

Advertisement

Esse bom desempenho financeiro do governo de Minas é atribuído ao esforço de seu corpo fiscal, além da política de preços da Petrobrás pelos aumentos consecutivos de combustíveis.

Para se ter uma ideia, 25% da arrecadação de ICMS estadual são com combustíveis, o que torna o impacto desses reajustes ainda maior. Sendo assim, dos R$60 bilhões que o Estado arrecadará neste ano com impostos, R$15 bilhões virão da gasolina. Somando tudo, será um crescimento de R$8 bilhões.

Advertisement

Por conta dessa política de preços da Petrobrás, o governo de Minas poderia, se quisesse, extinguir o parcelamento da folha salarial. De acordo com os números apresentados pela Secretaria da Fazenda, a segunda parcela dos salários custa apenas R$500 milhões, que poderiam ser cobertos pelo valor dos reajustes. No entanto, já está nos planos da área econômica do Estado, pagar o 13º salário deste ano ainda em 2021, com o custo de R$2 bilhões.

Apesar dos números promissores, o estilo conservador de Gustavo Barbosa pode impedir esses adiantamentos. O secretário teria o argumento de que se normalizasse a situação salarial dos servidores, perderia o único argumento para defender a adesão de Minas ao Regime de Recuperação Fiscal do Governo Federal, já que por meio desse programa, o governo estadual pretende suspender por nove anos o pagamento do serviço da dívida junto à União, que custa R$500 milhões mensais.

Advertisement