O número de mortos por milhão foi levantada nesta quinta-feira, 14, quando o presidente Jair Bolsonaro foi questionado sobre a Argentina.

O país vizinho, que está adotando um isolamento mais severo, regista uma taxa de mortalidade de coronavírus de 7,73 por milhão de habitantes.

Leia também: Após denúncia, Prefeitura cancela construção de 3 mil túmulos sem licitação em BH; veja aqui

Advertisement

A situação é muito melhor do que a do Brasil, que registra 64,7 mortes por milhão. A Suécia, tida como um case de sucesso pelo presidente, está ainda pior: 342,6 mortos por milhão.

Minas Gerais se destaca

Na comparação, MG está em uma situação ainda melhor que a Argentina. Com 146 mortos até esta quinta, o estado registra uma taxa de 6.99 mortos por milhão. A conta considera o senso de 2010, último realizado pelo IBGE.

Advertisement

Leia também: Romeu Zema tem cidadania e passaporte falsos cassados pela polícia italiana; veja aqui

O número de infectados é de 201 habitantes por milhão. O número é bem maior já que muitos são assintomáticos e milhares não foram testados.

Belo Horizonte preocupa

Advertisement

Quando regionalizamos ainda mais, analisando a capital, o número sobe. São 20,27 mortos por milhão de habitantes, quase três vezes mais que a média do estado.

Desconsiderando Belo Horizonte

Se desconsiderarmos da soma os mortos e os habitantes de BH, isolando o resto do estado, temos uma taxa de mortalidade ainda menor. Neste caso são 6,01 mortos por milhão.

Advertisement

Disputa política

A crise de coronavírus tem levantado, também, uma briga política entre o governador Romeu Zema e o prefeito de BH, Alexandre Kalil.

Enquanto o primeiro defende um isolamento mais brando na maior parte do estado, o segundo cogita até decretar lockdown na cidade.

Advertisement