Mc Tha tem roubado a cena por onde passa. Não à toa, ela se tornou uma das grandes revelações da música brasileira em 2019. Com o álbum Rito de Passá, lançado em junho, ela tem conquistado o respaldo da crítica e a admiração do público. No dia 8 de fevereiro, Belo Horizonte vai poder curtir o show da cantora — oferecido pela patrocinadora Budweiser — no Festival S.E.N.S.A.C.I.O.N.A.L!, na Esplanada do Mineirão. E ela não é a única novidade! Letrux e Marina Peralta também marcam presença no festival. A carioca faz uma participação especial no show da conterrânea Biltre e a cantora de Campo Grande é convidada da anfitriã Pequena Morte.

A programação inclui também apresentações de Baianasystem, Duda Beat com participação de Gaby Amarantos, Emicida, Liniker e os Caramelows convida Johnny Hooker, Nação Zumbi, Elba Ramalho convida Chico César, Hot e Oreia, Rosa Neon e muito mais. Os ingressos estão à venda no site sympla.com.br/festivalsensacional.

Mc Tha

Mc Tha iniciou sua carreira aos 15 anos, cantando em bailes funk na Cidade Tiradentes, região leste da capital paulista. No primeiro álbum de estúdio, Rito de Passá, ela mistura funk com diversos outros ritmos brasileiros. Produzido de forma independente, o disco é regido pela faixa Rito de Passá: “ritual diário que nos ensina a viver o hoje. As dores, as alegrias, as inseguranças, a espera!”. A relação da cantora com a espiritualidade e a religião de matriz africana é evidenciada no trabalho, resultando no que ela apelida de “umbandafunk”.

Marina Peralta

Marina Peralta é cantora e compositora e, desde 2014, tem circulado pelo país apresentando o seu trabalho. A artista tem um trabalho espiritualizado e atual que, ao longo dos anos, moveu-se pelo samba e MPB até se estruturar no reggae e no rap. As letras ressaltam o empoderamento das mulheres, a luta por igualdade social e a situação dos povos indígenas. Em 2016, Marina lançou o seu primeiro disco, Agradece. O convite para participar do show da Pequena Morte partiu da banda mineira, que tem afinidade e grande admiração pela música da artista.

Letrux

“Bota na tua cabeça que isso aqui vai render”, canta Letrux na faixa de abertura do disco LETRUX EM NOITE DE CLIMÃO. O álbum de estreia solo da artista coleciona prêmios importantes e elogios do público e da imprensa brasileira especializada. Os shows, catárticos e sempre lotados, contabilizam uma legião cada vez maior de fãs entusiasmados com os versos e o carisma da artista. Em 2019, Letrux participou da faixa e clipe “Vamos Gozar” da Biltre e agora sobe no palco ao lado da banda em BH. O público pode esperar um show performático e divertido com esse feat!

O festival

Em 2020, o S.E.N.S.A.C.I.O.N.A.L! faz um mergulho no fantástico mundo da realidade e compartilha com o público uma reflexão: ainda é preciso dizer o óbvio? Aproveitando o clima bem-humorado do carnaval, o festival capricha no deboche e levanta o estandarte pra dizer: sim, a terra é redonda! É nesse clima que o S.E.N.S.A.C.I.O.N.A.L! completa 10 anos de história e realiza a sua 8ª edição.

Criado em 2010, o festival acompanhou de perto o surgimento de blocos e de movimentações culturais como a Praia da Estação. Entre 2011 e 2013, foi realizado no sábado de pré-carnaval e celebrou ao lado dos foliões do bloco Mamá na Vaca. Já em 2014, a festa foi durante o carnaval: em dois dias, 7 bandas foram vistas por mais de 60 mil pessoas na praça da Savassi. O festival ainda contou com ampla programação noturna nos cinco dias de feriado. O grande “insight” foi esse: aproveitar o público em busca de folia para apresentar bandas autorais de qualidade.

Depois de alguns anos afastado de suas origens momescas, o S.E.N.S.A.C.I.O.N.A.L! marca o início do período carnavalesco de Belo Horizonte, no dia 8 de fevereiro de 2020. Com uma programação que mescla artistas locais, grandes nomes da cena nacional, fanfarras e bandas de blocos de rua, o festival se inspira nessa festa que é política, diversa e bem-humorada, para criar uma experiência musical marcante e ousada.

“Ao se auto-nomear ‘terra-redondista’, o S.E.N.S.A.C.I.O.N.A.L! dialoga com questões atuais, como negação da ciência e fake-news, de forma satírica. Uma forma de posicionamento dentro do espírito festivo e colorido do carnaval. Esse viés ‘político-fanfarrão’ sempre caracterizou nosso festival, justamente por termos florescido junto com a retomada do carnaval de rua (e de luta) da cidade, 10 anos atrás”, contextualiza Victor Diniz, sócio da Híbrido Comunicação e Cultura, que produz o S.E.N.S.A.C.I.O.N.A.L!, ao lado d’A Macaco.