A CPI da BH Trans já ouviu na semana passada o atual presidente do órgão, Diogo Prosdocimi, e agora se prepara para ouvir seu antecessor, Célio Bouzada.

O requerimento foi aprovado com unanimidade e deverá comparar sua versão dos fatos com a apresentada por Diogo em seu depoimento.

“Na última reunião da CPI da ‘caixa preta’ da BHTrans, o atual presidente Diogo expôs uma quantidade considerável de erros, equívocos e situações que geram falta de transparência e um conjunto enorme de motivos que fazem com que a prestação de serviço de mobilidade na cidade de Belo Horizonte seja uma tragédia. Ele começou há seis meses, e nos últimos quatro anos o responsável era o senhor Célio Bouzada”, disse o vereador Gabriel Azevedo (sem partido), que é presidente da CPI e também autor do requerimento.

Advertisement

O que se percebe na Câmara é que tem vereador arrependido de ter assinado pela abertura da CPI.

Quando a CPI começar a mexer demais no passado, muitos grupos políticos poderão acabar com quadros comprometidos. Estes grupos estão mais preocupados com a CPI do que a atual administração.

Advertisement