A Prefeitura de Belo Horizonte pode estar fechando leitos de enfermaria e UTI Covid sem informar à população.

Segundo uma fonte ouvida pelo Moon BH em condição de anonimato, este poderia ser o motivo para a gestão se recusar a revelar quais são os dados de ocupação.

No dia 6 de maio a PBH informou que não iria mais disponibilizar tais informações: “Considerando o atual cenário da cidade, não haverá mais divulgação dos índices de monitoramento – Rt e taxas de ocupação de leitos de Enfermaria e UTI Covid – e do Matriciamento de Risco (MR)”.

Advertisement

Apesar dos diversos pedidos de jornalistas e de parlamentares, a recusa continua mantida.

Queda na demanda

A liberação dos leitos se daria porque, com o avanço da vacinação, menos pessoas estariam precisando de internação. Com o alto custo para manter os leitos abertos, a PBH estaria fechando uma parte para economizar dinheiro público e convertendo outra em leitos de uso geral.

Em março, segundo a Folha, grandes hospitais privados como Albert Einstein, Sírio-Libanês, Unimed e D’or adotaram a prática:

Advertisement

Economia também foi usada como justificativa pelo prefeito de Curitiba, Rafael Greca (DEM): “Eu não abri todos os mil leitos que a cidade dispõe porque um leito custa R$ 1.600,00 por dia, então não teria sentido nós gastarmos para dizer que estamos bem e para a turma resolver fazer festa, é um momento das pessoas prestarem atenção”.

Ministério da Saúde converteu leitos exclusivos para Covid em leitos normais

Poucos dias antes da Prefeitura de Belo Horizonte anunciar que pararia de informar a ocupação dos leitos, no dia 15 de abril, o Ministério da Saúde informou que converteria mais de 6 mil leitos exclusivos para covid em leitos comuns, ampliando a oferta.

Portanto, fechar os leitos de covid, seja para transformá-los em leitos normais ou pela economia, em caso de falta de demanda, seria uma decisão acertada.

Advertisement

O que diz a Prefeitura de Belo Horizonte

O Moon BH procurou a Prefeitura de Belo Horizonte para esclarecer a situação. Usualmente, a gestão não responde nossos questionamentos. Se a PBH se manifestar, atualizaremos esta matéria.