Essa história parece tão surreal que poderia virar um documentário satírico da Netflix ao estilo ‘American Vandal’, que é muito boa, inclusive. Veja como é inacreditável:



Leia também: Como seriam as eleições em MG se estivéssemos em Game of Thrones; veja aqui

É que um jovem belo-horizontino está vendo sua vida virar de cabeça pra baixo. Conhecido na alta sociedade como um tipo de rei do camarote local, agora está sendo acusado de viver essa vida de luxo a custa de golpes aplicados nos amigos.

A história começou a ganhar visibilidade quando o perfil do Instagram SacBorella começou a divulgar supostas acusações contra Rodrigo Borella, de 20 anos.

Reprodução – Instagram

O perfil se descreve da seguinte forma: “Espaço para atendimento direto aos clientes insatisfeitos da empresa Borella Calotes & Empreendimentos Ltda. Reclamações por dm, sigilo absoluto!”.



Leia também: Colocamos gringos para aprender palavras em mineirês; assista o resultado aqui

Em suas publicações, prints de supostos reclamantes anônimos que teriam caído nos  golpes supostamente cometidos pelo rapaz.

Reprodução – Instagram

Na maioria das acusações, o rapaz age da mesma forma: pede dinheiro emprestado a algum amigo prometendo pagar o mais rápido possível e em alguns casos até faz transferências no ato, mas tudo acaba caindo por terra e os amigos ficam de mãos vazias.

Reprodução – Instagram

Em alguns prints, porém, ele age diferente e aparece pedindo dinheiro para a doação de ovos de Páscoa. As doações deveriam ser de cerca de R$ 300.



 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Bombou mesmo essa campanha de páscoa

Uma publicação compartilhada por SacBorella (@sacborella) em






Em outros casos o rapaz aparece como caloteiro em boates caras da capital e é acusado ficar devendo valores de ingressos e contas nos camarotes que frequenta.

Reprodução – Instagram

Ao Moon BH, a Polícia Civil de Minas Gerais confirmou por meio de sua assessoria de comunicação que a polêmica averiguada: “foi localizado um B.O. até o momento e o fato será investigado”.

O Moon BH também tentou entrar em contato com Borella, mas até o momento ainda não conseguiu uma resposta. Assim que houver, se houver, ela será adicionada neste texto.