Nós já abordamos aqui no Moon BH a vida de garotos e garotas de programa. Já mostramos uma entrevista com um rapaz que atende no Barro Preto e também a história de uma belo-horizontina que ganha a vida fazendo isso em Londres.




Hoje, porém, vamos mostrar o outro lado da história. Conseguimos o depoimento de um empresário belo-horizontino explicando o porquê de preferir as garotas de programa e como tudo começou.

Reprodução – Internet

“Entendo que muita gente pensa que eu trato as acompanhantes como namoradas porque sou carente, eu acho que estão errados”, contou ele pra gente.

Mas seria isso uma questão de estilo? Descubra abaixo no relato:

“Minha vida é muito corrida, eu trabalho demais, e isso não é uma reclamação, eu adoro o que faço. Mas acabei me distanciando da minha família, e só me encontro com eles umas duas vezes por ano.

Eu sou administrador em uma empresa de cobranças que comecei há nove anos com dois amigos. Na época eu ainda estava na faculdade, mas tenho muito muito orgulho do trabalho que fizemos e dos resultados que conseguimos para os nossos clientes.

Hoje eu estou com 30 anos, já tenho uma barriguinha e estou começando a perder cabelo, mas no geral tenho boa aparência e ainda estou a alguns anos de ser chamado de barrigudo.

Já que praticamente não vejo a família e tenho alguma dificuldade para criar intimidade com os colegas do trabalho, comecei a me relacionar com acompanhantes BH. Geralmente escolho acompanhantes de luxo, mas isso não é uma regra.

No início era só pelo sexo mesmo. De uma a duas vezes por semana eu entrava no site, escolhia uma menina, telefonava, combinava o horário e ia para o apartamento dela.

Algumas meninas são realmente lindas, mas fazem tudo no automático, nem se dão ao trabalho de fingir alguma coisa. Com essas eu só marco uma vez e não vejo nunca mais.




Mas tem meninas que não estão com as melhores fotos, não parecem ser as mais bonitas do site, mas que sabem atender bem, sabem sorrir de forma natural, e conseguem me deixar bem a vontade. Por isso eu não escolho só as meninas mais lindas e nem exclusivamente as que se definem como acompanhantes de luxo.

Eu sempre agendo o encontro no local da garota, e raramente eu marco em um motel, porque algumas delas não possuem um privê.

Mas sempre tive vontade de marcar um encontro na minha casa, eu ficava imaginando como seria passar o final de semana com elas aqui, mas no final das contas eu desistia disso, tinha muito receio, e não é porque alguma delas tenha me dado motivos, mas eu tinha medo de chamar uma delas para a minha casa e depois ela transformar a minha vida em um completo inferno.

E um dia eu conheci a Gabi, uma acompanhante morena, linda, com um corpo escultural. Eu não resisti e marquei um programa no mesmo dia. Depois disso, por muito tempo, eu não sai com mais ninguém, só a Gabi. Eu fiquei muito afim dela.

Eu não via a Gabi só no privê dela ou no motel. Foi com a Gabi que eu comecei a agendar encontros, em restaurantes, as vezes cinema… Mas depois a gente acabava indo para um motel.

A Gabi é uma mulher sensível e inteligente, eu gosto muito de conversar com ela. E são conversas tão interessantes que a gente enrola muito antes de ir para o motel.

E foi com ela que eu tive finalmente a coragem necessária para marcar um encontro na minha casa, de sexta a noite até a noite de domingo, ela ficaria aqui comigo.

Eu pensei que a gente ia transar na casa inteira, em todos os cômodos, de todas as formas, mas não foi nada disso que aconteceu.

Quando encontrei a Gabi na sexta-feira, depois do trabalho, ela estava com algumas sacolas. Tinha comprado um vinho chileno muito bom, e tudo que seria necessário para preparar um jantarzinho íntimo. Isso foi inesperado e eu adorei. Depois do jantar nós fomos assistir O Poderoso Chefão, parte 1. Eu sempre falava com ela sobre esse filme, meu preferido, mas ela ainda não tinha assistido.

Foi um dos melhores finais de semana que eu já tive. A Gabi foi perfeita, eu não precisei pedir nada, ela fazia exatamente as coisas que eu tinha imaginado.

E ver aquela mulher linda desfilando na minha casa de lingerie, preparando o café da manhã, cuidando de mim e me provocando o dia inteiro, eu ficava louco. E quando via que eu já estava no limite, a gente ia até o final, fosse onde quer que fosse, na piscina, na cozinha, na sala…

Por meses eu só sai com a Gabi. Não liguei para mais ninguém e parei de entrar em sites de acompanhantes (como este, por exemplo). Pra mim era como se a gente estivesse namorando. Nós nunca falamos sobre isso, mas as demonstrações de carinho davam a entender que era um relacionamento.

Quando a Gabi viajou para São Paulo, para uma temporada lá, eu não fiquei com nenhuma outra mulher por mais de um mês. Mas depois comecei a ver os sites de novo, e depois comecei a marcar encontros com outras meninas.

Só que dessa vez eu não queria mais transar e sair, eu estava procurando alguém que pudesse ficar comigo por mais tempo, do jeito que tinha sido com a Gabi.




Eu fiz algumas tentativas deliciosas e com o tempo acabei conhecendo meninas divertidas, inteligentes, legais. Gosto muito da companhia delas, e adoro ficar com a mesma acompanhante por um tempo mais longo, e desenvolver alguma intimidade.

Eu costumo ver os filmes que elas me indicam, até gostei de alguns deles. Já viajei para Tiradentes e Ouro Preto com algumas meninas… Resumindo, eu gostei muito de conhecer cada uma delas.

Entendo que muita gente pensa que eu trato as acompanhantes como namoradas porque sou carente, eu acho que estão errados. Talvez seja a minha fantasia, ou talvez eu prefira pagar e fingir uma relação que não existe porque eu acho, e acho mesmo, que um namoro real, dia a dia, dá muito trabalho.

Sei que trabalho muito e não pretendo mudar isso, e sei que tenho dificuldade para criar vínculos e intimidade com outras pessoas. Não gosto de sair, de noitadas, não é o meu estilo. E nunca confiei muito em ninguém. Isso tudo me impede de ter um relacionamento que dure com uma namorada.

Tenho certeza que as acompanhantes mudaram a minha vida, e que mudaram para melhor”.

E você, já ficou com alguma garota de programa? Conta pra gente a sua história, também.