Na última sexta-feira eu pegava um ônibus em direção ao bairro Sagrada Família quando repentinamente sou roubado e em menos de 10 segundos perco meu celular.



O assaltante agiu de forma rápida e certeira. Sabia como fazer e provavelmente se sentiu livre para agir sem esperar ser pego.

O fato aconteceu de forma bem simples. Estava sentado na janela e no momento que decidi pegar o aparelho para ver uma informação, o bandido viu a oportunidade e me roubou de fora do veículo.

Advertisement

Apesar de já ter ouvido de crimes similares no Centro da capital mineira, não esperava que isso fosse acorrer às 10h da manhã em pleno cruzamento da rua Tamoios com Afonso Pena.

O mais surpreendente, porém, foi ouvir dos outros passageiros que isso era comum e que provavelmente era o mesmo bandido que ‘fazia ponto’ no local há algum tempo.

Só agora eu vejo como fui inocente em estar com o celular tão distraído e perto da janela. Então, fique alerta e compartilhe.

Advertisement

Bloquear o aparelho.

A partir desta terça-feira, ficou ainda mais fácil bloquear o smartphone roubado. Se antes era necessário ter em mão o número conhecido como imei, uma espécie de chassi do aparelho, agora é possível fazer o bloqueio apenas com o número da linha.



Basta entrar em contato com a operado e solicitar o bloqueio. “Estamos adotando duas formas de combate a roubos e furtos. A primeira, bastando apresentar às operadoras ou delegacias o número do celular, em vez dos 15 números do identificador, para bloqueá-lo. A segunda, ao obrigarmos que transportadores e lojistas incluam, na nota fiscal, esse identificador. Isso possibilitará a identificação dos aparelhos em caso de roubo de cargas ou em lojas varejistas”, informou o presidente da Anatel, João Rezende.

Além disso, foi lançado também um sistema para que consumidores consultem se o aparelho que pretendem comprar está bloqueado. Basta acessar o endereço: ConsultaAparelhoPerdido

Advertisement

Segundo o presidente da Anatel, também ficará mais fácil achar o dono de um aparelho roubado. “Para isso, basta a boa vontade do policial ou de quem [na consulta] descobrir que o celular está bloqueado”, disse.